17 julho, 2019

Santa Sé: fazer mais para combater a fome no mundo

 
 Depois da Ásia, o continente africano é o que mais sofre com a fome  (AFP or licensors)
 
Em 2018, mais de 820 milhões de pessoas não tinham comida suficiente. É o que revela o último relatório da ONU sobre o estado da segurança alimentar e nutricional no mundo. Mons. Fernando Chica Arellano, Observador Permanente junto do organismo das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, falou ao Vatican News sobre os desafios para combater a fome.
 
Barbara Castelli - Cidade do Vaticano
 
"A humanidade não cumpriu suficientemente p seu dever pelos irmãos mais pobres". Com estas palavras, Mons. Fernando Chica Arellano, Observador Permanente da Santa Sé junto à Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), ao Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e ao Programa Mundial de Alimentos (PAM), comenta o relatório de 2019 sobre o estado da segurança alimentar e nutricional no mundo. O documento foi apresentado na terça-feira, 15,  em Nova York, por cinco agências da ONU: FAO, FIDA, UNICEF (Fundo para a Infância), PAM e OMS (Organização Mundial da Saúde). O relatório faz parte do monitoramento dos progressos em direção ao segundo Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - "Fome Zero" - que visa derrotar a fome, promover a segurança alimentar e colocar fim a todas as formas de desnutrição até 2030. 

Os números da crueldade da fome

Pelo terceiro ano consecutivo, a fome no mundo não dá sinais de declínio: em 2018, cerca de 820 milhões de pessoas não tinham comida suficiente, em comparação com os 811 milhões do ano anterior. As crianças com baixo peso ao nascer são 20,5 milhões (1 em cada 7), as crianças com menos de 5 anos com desnutrição crónica são 148,9 milhões e aquelas que sofrem de desnutrição aguda são 49,5 milhões. A fome está a aumentar, de modo particular, em países onde o crescimento económico está a ficar para trás, com baixo rendimento média e aqueles cuja rendimento depende do comércio internacional de matérias-primas.

Em contraposição a esta triste realidade, o relatório das Nações Unidas também revela que no mundo está a aumentar a obesidade e o número de pessoas com excesso de peso, particularmente entre crianças em idade escolar e adultos; e que as probabilidades de insegurança alimentar são maiores entre mulheres do que entre os homens, em todos os continentes, com a maior diferença na América Latina.

"O relatório - continua Mons. Fernando Chica Arellano na entrevista concedida ao Vatican News - diz-nos que as pessoas por detrás destes números não têm um presente sereno nem um futuro luminoso". "A comunidade internacional realmente deveria fazer mais - ressalta - falta a vontade, sobretudo em remover as causas originadas pelo homem, como os conflitos, a crise económica e as mudanças climáticas". 

O grito de ajuda que vem da Ásia e de África

O maior número de pessoas subnutridas (mais de 500 milhões) vive na Ásia, principalmente na parte sul. Também em África, a situação é extremamente alarmante, com as mais altas taxas de fome do mundo, que continuam a aumentar lentamente, mas de forma constante, em quase todas as regiões.

Em particular, na África Oriental, cerca de um terço da população (30,8%) está subnutrida. Além do clima e dos conflitos, o aumento é favorecido pelas crises económicas. O Observador Permanece junto às organizações e organismos das Nações Unidas para alimentação e a agricultura, enfatiza que "todos podemos fazer algo para combater a fome", antes de tudo não desperdiçando alimentos e não cedendo à indiferença, como os personagens da parábola do "bom samaritano". "A comunidade internacional - acrescenta - deve crescer em solidariedade, porque a solidariedade, o investimento na paz, são uma forma de lutar contra a fome". 

Entrevista com Mons. Fernando Chica Arellano

R. - Este relatório diz-nos que a humanidade não cumpriu suficientemente o seu dever em relação aos nossos irmãos mais pobres. A fome continua a aumentar. Isto evidencia - eu diria - a grandeza do desafio de atingir a meta de desenvolvimento sustentável "Fome zero", até 2030. Portanto, significa que devemos trabalhar mais para melhor cumprir o nosso dever como comunidade internacional e, sobretudo como pessoas, também a nível individual. Os números são realmente muito eloquentes. Falemos da Ásia: 513,9 milhões de pessoas famintas. Falemos de África: 256,1 milhões de pessoas. Na América Latina 42,5 milhões. Mas o relatório enfatiza não apenas a crueldade da fome, mas também outro aspeto: a obesidade. Os adultos obesos do mundo são 672 milhões, 13%, ou uma pessoa em cada oito. Portanto, o problema não é somente a desnutrição, mas também a má nutrição. O relatório, na verdade, diz-nos que as pessoas  que estão por detrás destes números não têm um presente sereno nem um futuro luminoso. A comunidade internacional realmente deveria fazer mais. Falta a vontade, sobretudo na remoção das causas originadas pelo homem, como os conflitos, a crise económica e as mudanças climáticas. Estes três continuam a ser os fatores que produzem estes flagelos.

A atenção aos últimos, a quem sofre, é um tema muito caro para o Papa Francisco. Como é possível promover, também nas pequenas coisas, uma transformação estrutural inclusiva?

R. - Todos podemos fazer algo para lutar contra a fome. Primeiro de que tudo, não desperdiçar comida; depois, não passar, como fez o sacerdote ou o levita, diante do pobre fechando os olhos ou não ouvindo o grito dos famintos. Isto a nível pessoal. A nível paroquial e de outras ONGs, tantas coisas belas estão a ser feitas, há bonitas iniciativas. Mas pode-se fazer mais. Este relatório é um impulso para fazer mais. Depois a comunidade internacional deve crescer em solidariedade, porque a solidariedade, o investimento na paz é uma forma de lutar contra a fome. Se nós não derrotarmos a fome, todos os outros objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030, acredito que não poderão ser alcançados. Os objetivos números um e dois são fundamentais para alcançar os outros 15, que todos juntos sintetizam, ao dizerem que não devemos deixar ninguém para trás. O Papa Francisco, no dia 27 de junho, recebeu a Conferência da FAO r disse que este é um problema que deverá envolver todos, porque o sofrimento de uma pessoa é o sofrimento de todas. Ele também fez um apelo ao bom uso da água, sobretudo na produção de alimentos e na sua distribuição mais justa, porque enquanto há países onde a comida está a avançar, sobretudo em África existem regiões inteiras onde, pelo contrário, ela está a faltar. Esta desigualdade é verdadeiramente cruel.

VN

Sem comentários:

Publicar um comentário