24 outubro, 2009

Acção de Formação para Líderes - 2

Por ter sido inadvertidamente removida deste blogue a Acção de Formação para Líderes, realizada nos dias 27 e 28 de Agosto de 2009, em Fátima, apresentamos as nossas desculpas e voltamos a reeditá-la.

Orador
Jim Murphy




1.º ENSINAMETO
27 de Agosto de 2009


video


2.º ENSINAMETO
28 de Agosto de 2009

video


3.º ENSINAMETO
28 de Agosto de 2009

video

22 outubro, 2009

Recomecemos felizes


Queremos recomeçar felizes um novo ciclo de vida espiritual, passadas as férias. Mas, por estranho que pareça, só há uma maneira de o conseguir: desistir de nós próprios, aceitar que nunca seremos capazes, sozinhos, de nos fazermos bons, e que não é pelo nosso esforço que nos aproximamos do Deus da nossa felicidade.

Mas se numa desilusão completa de nós próprios, nos entregarmos em total descontracção ao Espírito de Deus, nele mergulharmos e nele conseguirmos o vazio completo de todo o nosso caudal de complicações, orgulhos, anseios, raciocínios e loucuras, Ele torna-se nosso e o milagre dá-se.

«O que estava sentado no trono afirmou: ”Eu renovo todas as coisas”. E acrescentou: escreve, porque estas palavras são dignas de fé e verdadeiras”. E disse-me ainda:”É verdade! Eu sou o Alfa e o Ómega, o Princípio e o Fim. Ao que tiver sede, Eu lhe darei a beber gratuitamente, da nascente da água da vida. O que vencer receberá estas coisas como herança; Eu serei o seu Deus e ele será meu filho.» (Ap 21, 5-7)

"Eu renovo todas as coisas". Se me deixares livre, renovarei hoje a tua visão da vida, o teu sorriso, o teu louvor, a tua bondade para com todos, a tua evangelização, os teus carismas, e verás descer sobre ti um novo céu e uma nova terra, enquanto os antigos terão desaparecido (Ap 21, 1).

Terão desaparecido as tuas vaidades, ciúmes, egoísmos. Tudo será diferente. Já não serás tu. Recomeçarás as tuas tarefas de sempre, mas num mundo que já não é o antigo.
Ámen, aleluia.
Pe. Luís Archer sj
Editorial do Labat n.º 38 de Outrubro de 2009

O RCC em movimento


África / Nigéria / Lagos, 9 a 20 de Novembro 2009

- Realiza-se a Conferência de Povos Africanos de Língua Inglesa, com o tema: “África – Esperança da Igreja”.
- A equipa de conferencias será liderada pela presidente do ICCRS Michelle Moran, e incluirá também a irmã Nancy Keller
América Central / Chile, 12 de Setembro 2009

- Teve lugar um encontro com a participação do Padre Raniero Catalamessa, subordinado ao tema: ‘Revestidos do poder do alto’, no qual “necessitamos de esperança para viver e necessitamos do Espírito Santo para esperar”.

América do Sul / Argentina

- O VII Encontro Diocesano de Jovens, realizou-se em 26 e 27 de Setembro, em Coliseo “Pirilo” Gomez de Catacaos, com o tema: “Aclamai ao Senhor terra inteira, Ele é nosso Deus, é bom e seu amor é para sempre” – Salmo 100. O pregador foi o Padre Pablo Velásquez (Colômbia).
- Em Huanuco, de 7 a 9 de Outubro Retiro de Formação da Região Centro, pelo Padre Carlos Garcia (Colômbia).
- Em Huanuco, de 10 a 11 de Outubro Encontro Regional do Centro, pelos Padre Carlos Garcia (Colômbia) e Rafael Lisandro Chavez (Venezuela).

Europa / Suiça

- Programa 2009/2010. Casa Tiberiades – Escola das Missões.
- Seminários de Cura Interior: culpa e perdão – 14 a 20 de Fevereiro 2010; a família, lugar de reconciliação – 18 a 24 de Outubro 2009 e 27 de Junho a 3 de Julho de 2010; renovação interior – 17 a 23 de Outubro 2010.
- As Sessões de Tiberiades: viver com Jesus – 9 a 11 de Abril 2010; viver com Teresa – 24 a 26 de Setembro 2010.
Seminários de Formação: as emoções, o que elas nos dizem de Deus. 1º Seminário – 28 e 29 de Novembro de 2009; 2º Seminário – 13 e 14 de Março 2010; 3º Seminário – 24 e 25 de Abril 2010.

Ásia / Índia

- XIV Convenção Nacional do Renovamento Carismático Católico, de 27 a 30 de Dezembro de 2009, com o tema: “Vós sereis santos porque Eu sou santo”(1Pe 1, 16).
- Conferência Regional de Lideres Carismáticos, de 18 a 21 de Fevereiro, com o tema: “Lançar as redes” (Lc 5, 4).
- O poder dos lideres seniores no Renovamento, de 25 a 29 de Outubro de 2009 e de 6 a 10 de Dezembro de 2009.
- Retiro Carismático nacional para irmãs religiosas, de 26 de Setembro a 1 de Outubro de 2009.

- Retiro para Seminaristas, de 29 de Setembro a 4 de Outubro de 2009.

Labat n.º 98 de Outubro de 2009

Sínodo dos Bispos sobre África

Vaticano / Roma, 4 a 25 Outubro

A II Assembleia do Sínodo dos Bispos Africanos, iniciou-se no passado dia 4 e decorrerá até ao dia 25 de Outubro, no Vaticano, com o tema “A Igreja na África ao serviço da reconciliação, da justiça e da paz” – acompanhado por uma palavra de Cristo dirigida aos discípulos: “Vós sois o sal da terra... Vós sois a luz do mundo” (Mt 5, 13.14), assumindo-se como uma ocasião para debater a presença, a estrutura e os desafios do catolicismo no Continente Africano.
Bento XVI, na abertura, explicou aos presentes – 33 Cardeais, 75 Arcebispos, 120 Bispos, 8 Religiosos eleitos pela União de superiores Gerais, 37 Presidentes de Conferências Episcopais, 189 Bispos ordinários, 8 Arcebispos eméritos 25 Chefes de dicastério da Cúria Romana, 244 Padres sinodais (197 de África, 34 da Europa, 10 da América, 2 da Ásia e 1 da Oceânia), 29 especialistas, 49 ouvintes e outros convidados do Papa – que “é importante sublinhar que não se trata de um congresso de estudo, nem de uma assembleia programática.

Ouvem-se relatórios e intervenções na sala, confrontamos os grupos, mas todos sabemos bem que os protagonistas não somos nós: é o Senhor, o Espírito Santo que guia a Igreja. O mais importante para nós é ouvir”.
______________________________

Bento XVI reza Terço com Jovens Universitários pela África

Bento XVI rezou, da Sala Paulo VI, no Vaticano, às 17h do dia 10 de Outubro, um inédito terço com jovens universitários pela África, em sintonia com o Sínodo dos Bispos desse continente, que foi inaugurado no Vaticano.

Colaboraram na animação a Orquestra Nacional dos Conservatórios de Música e os Corais dos Conservatórios das Universidades Italianas.

Segundo explicou Dom Lorenzo Leuzzi, director do Escritório Diocesano para a Pastoral Universitária de Roma, o evento uniu, graças às novas tecnologias, as cidades africanas do Cairo (Egito), Nairóbi (Quênia), Jartum (Sudão), Antananarivo (Madagascar), Joanesburgo (África do Sul), Onitsha (Nigéria), Kinshasa (República Democrática do Congo), Maputo (Moçambique) e Uagadugu (Burkina Faso).

Referiu ainda que este terço "é importante especialmente para testemunhar que o Evangelho é capaz de orientar a cultura, algo que se confia de maneira especial aos jovens universitários", para "promover um desenvolvimento humano verdadeiramente integral".
____________________________

“A Igreja pode oferecer uma grande contribuição a toda a sociedade em África, que, infelizmente, conhece em vários países a pobreza, a injustiça, a violência e as guerras.

A vocação da Igreja, comunidade de pessoas reconciliadas com Deus e entre si, é a de ser profecia e fermento de reconciliação entre os diversos grupos étnicos, linguísticos e também religiosos, fundamento da paz e do progresso humano e social”. Papa Bento XVI
____________________________

“O objectivo da Igreja em África é retomar, com renovado zelo, a acção de evangelização e de promoção humana no grande continente. Uma Igreja reconciliada no seu interior tornar-se-á anunciadora credível da reconciliação também na sociedade, levando uma insubstituível contribuição à promoção da justiça e à obtenção da paz”.

Mons. Nikola Eterovié,
Secretário-geral do Sínodo,
(conferência de imprensa
_____________________________

“Os chefes religiosos devem ser mensageiros de esperança, paz, reconciliação e desenvolvimento. Devem estar atentos ao trabalho social e às necessidades espirituais das populações a eles confiadas”.

Abuna Paulos, Patriarca
da Igreja Ortodoxa da
Etiópia, durante o Sínodo
______________________________

Segundo o senso de 2004, indicamos número de católicos existentes em alguns países africanos de língua portuguesa: “Guiné-Bissau: 132.000, Cabo Verde: 453.000, São Tomé e Príncipe: 110.000, Angola: 8. 334. 000, Moçambique: 4. 466.000”.

Labat n.º 98 de Outubro de 2009

A Riqueza da Oração do Rosário



O Papa João Paulo II, insigne na espiritualidade mariana e na devoção a Maria, afirmou: «O Rosário é a minha oração predilecta.
Oração maravilhosa! Maravilhosa na sua simplicidade e na profundidade... A todos exorto cordialmente que o rezem... O nosso coração pode incluir nestas dezenas do Rosário todos os factos que formam a vida do indivíduo, da família, da Igreja e da Humanidade.
Acontecimentos pessoais e os do próximo e de modo particular daqueles que nos estão mais vizinhos, que temos mais no coração. Assim, a oração do Rosário marca o ritmo da vida humana».

Dimensão evangélica do Rosário

Como afirmou o Papa Paulo VI: «É ao Evangelho que vai aurir o enunciado dos mistérios e as fórmulas principais; no Evangelho se inspira a atitude com que o fiel o deve recitar, sugerida pela jubilosa saudação do Anjo e correspondente assentimento religioso da Virgem Maria; do Evangelho, enfim, tira o mistério fundamental lembrado no suceder-se das Ave-Marias – a Encarnação do Verbo – contemplado no momento decisivo da Anunciação feita a Maria.
O Rosário é, pois, uma oração evangélica, como hoje mais do que no passado, gostam de o definir os pastores e estudiosos» (Marialis cultus, 44).

Oração profundamente cristológica

Todo o Rosário nos centra na Pessoa de Cristo, o Verbo Encarnado. Oiçamos mais uma vez o Papa Paulo VI: «Oração evangélica centrada sobre o mistério da Encarnação redentora, o Rosário é, por isso mesmo, uma prece de orientação profundamente cristológica.
Na verdade, o seu elemento mais característico – a repetição litânica da Ave-Maria – torna-se também louvor incessante a Cristo, uma vez que é esse o objectivo último do anúncio do Anjo e da saudação da mãe do Baptista: bendito o fruto do teu ventre (Lc 1, 42).
Mais ainda: a repetição da Ave-Maria constitui a urdidura sobre a qual se desenrola a contemplação dos mistérios.

O Jesus nomeado em cada Ave-Maria é o mesmo que a sucessão dos mistérios propõe, vez por vez, como Filho de Deus e da Virgem Santíssima, nascido numa gruta de Belém, apresentado pela Mãe no Templo, e em rapazinho ainda, a demonstrar-se cheio de zelo pelas coisas de seu Pai; depois, Redentor, agonizante no horto, flagelado e coroado de espinhos, a carregar a cruz e a morrer sobre o Calvário; por fim, ressuscitado da morte e ascendido à glória do Pai, para efundir o dom do Espírito» (Marialis cultus, 46).
Este texto de Paulo VI fica completo com o ensinamento de João Paulo II, que introduziu os mistérios luminosos, meditando cinco aspectos da vida pública de Jesus.

Neste sentido cristológico do Rosário, vemos de facto, a par e passo, os mistérios da Redenção. Todos os mistérios salvíficos são meditados na sucessão das meditações, desde a Encarnação à glória, passando pela vida pública, pela paixão e morte. No Rosário, tudo o que é mais importante na vida de Cristo e de Nossa Senhora está presente; daí que esta oração nos centra no âmago do mistério cristão.

Os elementos do Rosário

O Rosário, ou o Terço, além da meditação dos mistérios da redenção, de que já falámos acima, coloca nos nossos lábios e nos nossos corações as mais belas e evangélicas orações.

Primeiro, o Pai-nosso, rezado e ensinado por Jesus, a chamada «Oração Dominical», base de toda a oração cristã, modelo de toda a prece. Inserido no Terço, faz--nos entrar em comunhão com o Pai, através de Jesus Cristo.

Depois, a «sucessão litânica da Ave-Maria, composta da saudação do Anjo à Virgem Santíssima (cfr. Lc 1, 28) e das palavras de bênção de Isabel (cfr. Lc 1, 42), às quais se segue a súplica eclesial Santa Maria» (Marialis cultus, 49c).

Finalmente, a doxologia do Glória, em que glorifica-mos Deus, uno e trino, do qual e para O qual são todas as coisas (cfr. Rom 11, 36).

Como vemos, as orações que fazem parte do Terço ou do Rosário são de valor evangélico e por si mesmas são uma preciosidade para ser rezada com amor, fé e verdadeira devoção.

O Breviário do Povo

É bonito pensar que o Terço, com a recitação das cinquenta Ave-Marias, é conhecido como o breviário do povo. De facto, os salmos, rezados no Ofício Divino, vêm na Bíblia em número de cento e cinquenta. Daí a semelhança do Rosário com o Saltério.

Ao rezar o Terço somos convidados a ser salmíticos, ou seja, o cadenciado da oração, a sucessão das Ave-Marias, tem, não só pelo número de cinquenta em cada Terço, mas pela própria forma de rezar, um modo rítmico tão próprio da oração salmítica.
Daí chamar-se ao Rosário o Saltério da Virgem Maria com que os humildes se associam ao cântico de louvor e à intercessão universal da Igreja.

Neste sentido, é bom recordar o ensinamento do Papa Paulo VI, ao falar da relação entre o Rosário e a Liturgia. Diz o Papa: «Não será difícil reconhecer que o Rosário é um exercício de piedade que se harmoniza facilmente com a Liturgia.
Tal como a Liturgia, de facto, também o Rosário tem uma índole comunitária, se nutre da Sagrada Escritura e gravita em torno dos mistérios de Cristo».
E mais adiante acrescenta: «A meditação dos mistérios do Rosário, de facto, ao tornar familiares à mente e ao coração dos fiéis os mistérios de Cristo, pode constituir uma óptima preparação para a sua celebração nos actos litúrgicos, e ser, depois, um eco prolongado dessa celebração» (Marialis cultus, 48).

O Rosário meditado ajuda-nos a celebrar melhor a Liturgia e esta é inspiradora dos mistérios que meditamos no Rosário.

Dário Pedroso, SJ
Labat n.º 98 de Outubro de 2009

Sugestão de leitura


Bíblia Sagrada • media em tela vermelha

(Nova edição)

Descrição

O que contém a nova apresentação da Bíblia?

Dicas Especiais
A nova Bíblia Sagrada está repleta de dicas que tornarão mais fácil a tua leitura e interpretação da Bíblia. Aqui fica a lista de algumas dessa dicas e de onde as podes encontrar.

Introdução aos principais livros da Bíblia
Antes de cada um dos livros principais da Bíblia encontrarás uma introdução que te ajudará a compreendê-los melhor. Esses livros são: o Pentateuco, os Livros Históricos, os Livros da Sabedoria, os Livros Proféticos, os Evangelhos, o Livro dos Actos dos Apóstolos, as Cartas e o Livro do Apocalipse.

Introduções
As introduções no início dos livros bíblicos (por vezes, dois ou três livros partilham a mesma introdução) são o ponto de partida para a mensagem central de cada um e dão-te uma visão geral do seu conteúdo.
Vive a Bíblia!


Título: Bíblia Sagrada • em tela vermelha - NOVIDADE!
Secção: Bíblica
Colecção: Bíblia
Imprimatur: Card. António Ribeiro
Revisão exegética do AT: Fr. Raimundo de Oliveira O.P.
Editora: PAULUS
ISBN: 978-972-30-1459-4
Ano: 2009
Edição: 6
Formato: 13,5 x 21,5 cm
Nº de Páginas: 1880


Contacto online, através do link:
http://www.paulus.pt/